Na região, 12 cidades possuem cursos práticos e teóricos voltados para o segmento. Profissionais afirmam que, apesar da crise, mercado está aquecido.

IFSP dispõe de 13 aeronaves no hangar em São Carlos para aulas práticas de manutenção (Foto: IFSP-São Carlos/Divulgação)
IFSP dispõe de 13 aeronaves no hangar em São Carlos para aulas práticas de manutenção (Foto: IFSP-São Carlos/Divulgação)

IFSP dispõe de 13 aeronaves no hangar em São Carlos para aulas práticas de manutenção (Foto: IFSP-São Carlos/Divulgação)

O setor de aviação tem carreiras em diversas áreas, tanto no solo quanto no ar, sendo possível trabalhar como piloto, comissário de voo, mecânico de manutenção, despachante operacional, engenheiro aeronáutico, entre outras profissões, tanto civis quanto militares. Segundo profissionais do segmento, apesar da crise financeira, o mercado está aquecido.

Na região de São Carlos e Campinas, 12 cidades possuem cursos teóricos e práticos voltados para carreiras na aviação civil: Araraquara, Araras, Leme, Matão, Pirassununga, Ribeirão Bonito, Rio Claro, São Carlos, São João da Boa Vista, São José do Rio Pardo, Campinas e Americana.

No total, 20 escolas e aeroclubes dos municípios citados estão cadastrados em situação regular na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Na segmento militar, a Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga, forma oficiais aviadores. Confira a lista completa das escolas no país.

O curso de Piloto Privado (PP) é a primeira etapa para quem sonha em pilotar um avião. Para a formação, o aluno passará por aulas teóricas e depois um mínimo de 40 horas de voo.

Para obter qualquer uma das licenças e/ou habilitações, é necessário prestar um exame teórico na ANAC.

“Para o caso de piloto privado, o aluno pode estudar como autodidata e depois prestar exame na ANAC. Para piloto comercial e habilitações como instrutor e voo por instrumentos, o aluno deve fazer um curso em escola homologada para depois prestar o exame na ANAC. Em todos os casos recomendamos a realização dos cursos teóricos”, disse Jozue Vieira Filho, presidente do aeroclube de São João da Boa Vista.

Os alunos também devem fazer um exame de saúde, chamado Certificado Médico Aeronáutico (CMA), realizado nos hospitais da Aeronáutica ou em clínicas autorizadas pela Anac. O CMA é necessário para iniciar os cursos.

Piloto e copiloto na cabine durante voo (Foto: Reprodução / EPTV)Piloto e copiloto na cabine durante voo (Foto: Reprodução / EPTV)

Piloto e copiloto na cabine durante voo (Foto: Reprodução / EPTV)

Após a formação em PP, é possível dar seguimento à formação com o curso de Piloto Comercial (PC), que tem a exigência mínima de 150 horas de voo.

Para se tornar Piloto de Linha Aérea (PLA), é necessário ter a licença de piloto comercial na categoria de aeronave pretendida e um total de 1,5 mil horas de voo. Para a licença de Piloto Agrícola, é preciso ter 400 horas de voo.

O valor dos cursos práticos na região varia de acordo com a escola, podendo chegar a R$ 60 mil.

A Sierra Bravo Aviation, de Americana (SP), tem à disposição, para maiores de 17 anos, o curso teórico de piloto privado, com duração de cinco meses, no qual o aluno aprende a voar com aeronaves leves sob regras de voo visual. O valor é de R$ 2,7 mil, para pagamento à vista, ou R$ 3 mil em até dez parcelas, além de R$ 300 de taxa de matrícula.

A escola de aviação Edapa, com sede em Campinas, oferece também o curso para piloto privado de avião teórico (R$ 1.953, ou em sete parcelas de R$ 295), além de aulas para mecânico de manutenção aeronáutica (seis parcelas de R$ 266), piloto privado de helicóptero (a vista R$ 1.953, ou em sete parcelas de R$ 295) e agente de aeroporto (R$ 570, ou em três parcelas de R$ 200).

O salário para os pilotos depende da experiência de voo e o tipo de aeronave voada, podendo variar entre R$ 5 mil e R$ 8 mil. Um comandante de companhia aérea, em fim de carreira, poderá atingir salários de R$ 30 a R$ 40 mil, dependendo de sua jornada e horas voadas ao mês.

Mais informações sobre os requisitos necessários em cada categoria podem ser obtidas no site da Anac.

Entre os cargos mais requisitados está o de comissário de voo, que tem formação de cinco meses e custo de R$ 3 mil. Após o curso, é necessário fazer uma prova na Anac.

comissário de voo (Foto: Reprodução/ EPTV)comissário de voo (Foto: Reprodução/ EPTV)

comissário de voo (Foto: Reprodução/ EPTV)

A profissão, que por muito tempo era considerada apenas por mulheres, que frequentemente eram confundidas com “garçonete” de avião, é responsável pela segurança dos passageiros durante o voo.

Além do serviço de bordo e procedimentos operacionais, os comissários estão aptos a lidar com situações de emergência, como combate ao fogo e até eventuais problemas de saúde dos passageiros, como paradas respiratórias e cardíacas.

O salário inicial dos comissários é de cerca de R$ 3 mil com as horas de voo. A função tem plano de carreira e um comissário de rotas internacionais pode receber, em média, R$ 7 mil no fim do mês.

As escolas autorizadas a oferecer os cursos podem ser consultadas no site da Anac.

Manutenção de aeronaves

Em São Carlos, o Instituto Federal São Paulo (IFSP) oferece os cursos de Tecnologia em Manutenção de Aeronaves (nível superior) com duração mínima de três anos e também Técnico em Manutenção de Aeronaves (nível técnico-profissionalizante), com duração de um ano e meio, que formam profissionais capacitados para executar manutenção preventiva e corretiva de aeronaves.

Região tem cursos práticos e teóricos no em vários segmentos da aviação (Foto: IFSP-São Carlos/Divulgação)Região tem cursos práticos e teóricos no em vários segmentos da aviação (Foto: IFSP-São Carlos/Divulgação)

Região tem cursos práticos e teóricos no em vários segmentos da aviação (Foto: IFSP-São Carlos/Divulgação)

A forma de ingresso do curso Superior em Tecnologia em Manutenção de Aeronaves é por meio do SISU e para o curso Técnico em Manutenção de Aeronaves por meio de processo seletivo próprio do IFSP. A cada semestre são abertas 40 vagas para cada um dos cursos.

O IFSP dispõe de um hangar com aproximadamente quatro mil metros quadrados, além de 18 oficinas e laboratórios de diferentes tecnologias aeronáuticas, onde são desenvolvidas as disciplinas práticas.

No total, 13 aeronaves, entre aviões e helicópteros, permitem o desenvolvimento de uma instrução prática, aproximando o aluno da realidade que encontrará dentro de uma empresa do setor aeronáutico.

Segundo Gerson Camargo, estão em andamento parcerias com empresas da região para o desenvolvimento de estágios e cooperação técnica.

“Apesar da atual crise econômica, ainda se observa na indústria aeronáutica uma boa procura por tais profissionais”, disse o professor do instituto.

Os salários iniciais de manutenção para o nível técnico variam de R$ 1,8 mil a R$ 2,6 mil e, para técnicos com experiência, R$ 6,7 mil, segundo um levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Para os cursos de nível superior, ainda de acordo com a CNI, os salários vão de R$ 3 mil a 10 mil. No ramo agrícola, a média é de R$ 150 mil por safra, com duração de seis meses.

Desenvolvimento de aeronaves

A Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), da Universidade de São Paulo (USP), possui o curso de Engenharia Aeronáutica, que tem duração de mínima de cinco anos e forma profissionais para atuar no projeto e desenvolvimento de aeronaves.

Anualmente são ofertadas 40 vagas para ingresso por meio de transferência interna, transferência externa ou vestibular, realizado pela Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest).

Estudantes da Escola de Engenharia Aeronáutica da USP de São Carlos (Foto: Reprodução/ EPTV)Estudantes da Escola de Engenharia Aeronáutica da USP de São Carlos (Foto: Reprodução/ EPTV)

Estudantes da Escola de Engenharia Aeronáutica da USP de São Carlos (Foto: Reprodução/ EPTV)

O engenheiro aeronáutico pode atuar em diversas áreas do conhecimento aeronáutico: aerodinâmica, estruturas, mecânica do vôo, materiais especiais, sistemas de controle, aviônica, propulsão, requisitos e certificação. Todas essas áreas são focadas no projeto, construção e homologação de aeronaves.

Poderá atuar também na manutenção, operação, reparos e modificações de frotas de aviões, além de trabalhar na indústria aeronáutica, nas empresas de transporte aéreo, no desenvolvimento científico e tecnológico em Empresas e Universidades Brasileiras.

O salário de um engenheiro aeronáutico pode variar entre R$ 4 mil e R$ 13 mil, dependendo do setor.

Graduação e pós-graduação em aviação civil

A Universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, oferece desde 2001 o curso de Bacharelado em Aviação Civil, reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC) e homologado pela Anac.

A instituição também possui Pós Graduação em Planejamento e Gestão Aeroportuária ; Segurança de Voo e Direito Aeronáutico, além do MBA em Gestão de Aviação Civil.

A graduação tem duração de três anos e mensalidades de R$ 1.568. As Pós Graduações e o MBA duram um ano e meio e têm custo mensal entre R$ 496 e R$ 728, dependendo da área escolhida.

“O aluno poderá optar pela carreira de piloto, no entanto, para esta área deverá fazer, além da formação teórica da universidade, também as aulas práticas de voo em escolas de aviação ou aeroclubes. Outras opções são funções administrativas em diferentes áreas das empresas aéreas como Safety, Security, Coordenação de Voo, Operações, entre outras”, explicou Edson Luiz Gaspar, coordenador da Graduação em Aviação Civil.

Mercado para carreiras na aviação está aquecido, dizem profisisionais (Foto: Reprodução/EPTV)Mercado para carreiras na aviação está aquecido, dizem profisisionais (Foto: Reprodução/EPTV)

Mercado para carreiras na aviação está aquecido, dizem profisisionais (Foto: Reprodução/EPTV)

Na área militar, a Academia Militar da Força Aérea (AFA), que funciona desde 1971 em Pirassununga, oferece formação de oficiais aviadores, intendentes e de infantaria.

A formação de nível superior tem duração de quatro anos e prepara oficiais para os postos iniciais das carreiras na Força Aérea Brasileira (FAB).

Após quatro anos, o cadete é declarado aspirante a oficial e recebe o certificado de Bacharel em Ciências Aeronáuticas.

Os oficiais aviadores podem exercer atividades ligadas à operação de meios aéreos em missões militares, como piloto operacional, piloto instrutor e piloto comandante em voo.

Para ingressar na AFA, é necessário participar de processo seletivo ou ter feito ensino médio na Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAr), localizada em Barbacena (MG).

Este ano estão abertas para 86 vagas, as inscrições acontecem até o dia 10 de abril. Para se inscrever, basta acessar o site da academia. A taxa de inscrição é de R$ 70,00.

Os salários na FAB variam entre R$ 1.054 a R$ 12.578, dependendo do tempo de carreira e patente.

AFA forma oficiais militares aviadores, intendentes e de infantaria (Foto: Reprodução/EPTV)AFA forma oficiais militares aviadores, intendentes e de infantaria (Foto: Reprodução/EPTV)

AFA forma oficiais militares aviadores, intendentes e de infantaria (Foto: Reprodução/EPTV)

Segundo o professor Gaspar, em 2015 houve uma restrição muito grande de vagas na aviação civil, que se estendeu até o final de 2016.

“Já em 2017, temos recebido várias solicitações de alunos tanto para estágio quanto para vagas efetivas, demonstrando um ligeiro reaquecimento do mercado”, contou o professor.

A melhora no mercado também foi sentida pelos aeroclubes da região central, segundo Maico Degasperi, diretor de segurança do aeroclube de Rio Claro.

“Esse ano começou aquecido com as companhias encomendando frotas e voltando a contratar. A aviação sempre foi assim, com seus altos e baixos. Pelo que tudo indica, a fase ruim passou. Essa nova leva de alunos e os que iniciarem nos próximos meses, estarão preparados para o mercado no momento oportuno”, afirmou Degasperi.

Para o professor Camargo, do IFSP, mesmo com a crise, as carreiras na aviação oferecem um bom retorno financeiro e a média salarial no segmento aeronáutico é superior à média dos outros profissionais.

“Existe uma grande carência de profissionais qualificados nessa área, principalmente os que se especializam nas novas tecnologias, que são utilizadas nas aeronaves modernas”, declarou.

Para Fernando Martini Catalano, professor do Departamento de Engenharia Aeronáutica da EESC, “o Brasil tem a aviação com um mercado de trabalho bastante interessante para todos os níveis de pessoas que atuam na área, desde o engenheiro aeronáutico até o mecânico de avião, e é um mercado permanente”.

Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga, SP (Foto: Reprodução/EPTV)Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga, SP (Foto: Reprodução/EPTV)

Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga, SP (Foto: Reprodução/EPTV)

Fonte Oficial: http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/pilotos-tecnicos-em-manutencao-militares-e-comissarios-veja-as-carreiras-na-aviacao.ghtml.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Boletim Concursos.

Comentários